História de Sucesso

Ana  Maria Xavier Alves Ana  Maria Xavier Alves

Categoria:Conheça um Graduado
Cidade: Marabá
País: Brasil

Sou empresária do ramo de autopeças em Marabá, Pará. Meu marido e eu fundamos a Autobat em fevereiro de 1998. Mesmo sem conhecimentos técnicos de gestão, mas com persistência, firmamos nosso nome no mercado, na base do acerto e erro.

Minha irmã Silvia, em 2004, entrou na Faculdade AIEC. Percebendo a importância das ferramentas que o curso de Administração oferecia, convidou-me para fazer o curso. Resisti o quanto pude, até que decidi voltar a estudar. Na primeira semana do curso, estudando o conteúdo on-line, pensei: "Fiz e faço tudo errado na minha empresa...". Mas os estudos também me fizeram perceber que eu poderia modificar os processos que não estavam adequados. As conversas, as atividades em grupo, os colegas com experiências e habilidades tão diversificadas, tudo isso somou à minha formação.

Passei, então, a aplicar na empresa o que estava aprendendo na AIEC. E as coisas começaram a fazer sentido. Melhoramos inicialmente nossa gestão de pessoas, ponto nevrálgico em qualquer organização. Daí em diante, todo o universo de como administrar se descortinou para nós. Não vou dizer que foi fácil, ou que não demandou nenhum esforço, mas posso afirmar que valeu a pena cada mudança que fizemos a partir do que estudei e aprendi na Faculdade.

Amor à primeira vista

Em dezembro de 2008, em férias, fomos conhecer a Serra Gaúcha. Amor à primeira vista foi o que sentimos. Passamos a fazer planos para irmos morar em Canela, cidade dessa região do interior do Rio Grande do Sul.

O Pará se situa próximo à Linha do Equador. Faz calor todos os dias do ano. Precisávamos conhecer o frio da Serra Gaúcha. Em pleno inverno de 2009 viajamos para Canela, buscando entender a cidade com olhos de morador e não de turista. Voltamos pra casa e começamos a preparar nossa empresa para atuar sem nossa presença física. Os conhecimentos que eu vinha adquirindo na Faculdade AIEC iam alicerçando cada alteração que fazíamos na gestão da empresa. Nossa meta era torná-la administrável a distância. Eu repetia: “Se posso estudar e, o mais importante, aprender a distância, por que não posso administrar minha empresa a distância?”

O processo foi construído, aos poucos, com base em tudo que havia aprendido no curso. Empresa organizada, pessoal motivado e a parafernália tecnológica em funcionamento, migramos para Canela, onde chegamos em 7 de janeiro de 2010.

Controles e acompanhamento

Nós sempre havíamos sido ativos no processo produtivo da empresa. A 3,3 mil quilômetros da nossa sede, pudemos continuar produtivos graças ao modelo administrativo que adotamos. Utilizamos um software de gestão e o programa LogMeIn, o que nos permite acompanhar toda movimentação em tempo real. Com oito câmeras ligadas 24 horas por dia, vemos a loja inteira e todas as operações realizadas. Dedicamos, em média, cinco horas diárias ao acompanhamento virtual da empresa. Conversamos com os colaboradores via MSN e e-mail.

Temos em nosso quadro oito funcionários. José de Ribamar dos Santos Sousa e Gervázio Baía de Oliveira, os dois gerentes, são profissionais competentes e de confiança, que acreditam na empresa e sabem da sua importância nessa gestão inovadora.

O controle financeiro, as compras e a relação com fornecedores são feitas por nós. Fechamos diariamente o caixa da empresa e recebemos um arquivo em PDF, com as vendas do dia, além de todos os cheques recebidos e os comprovantes de cartões de crédito escaneados.

Escolha certa

Um ano e meio depois de implantar a gestão virtual, comemoramos vitórias em nível de produtividade, de relacionamento com os colaboradores e de maior controle dos processos. Visitamos a empresa apenas uma vez a cada semestre.

“Sortudos, corajosos, estúpidos, irresponsáveis, loucos...”, já fomos tachados de tudo, mas seguimos adiante com a certeza de que fizemos a escolha certa. Hoje, temos qualidade de vida aliada a um negócio rentável, o que nos permite viver e trabalhar como quaisquer outras pessoas, com o diferencial desse trabalho poder ser feito em casa, a mais de 3 mil quilômetros de distância do estabelecimento.